19. Sangue de Zumbis

Sangue de Zumbis

Sangue de Zumbis

Título original em Inglês:
Blood of the Zombies

Autor:
Ian Livingstone

Lançamento:
Julho de 2017

Publicação original:
Agosto de 2012

Ilustrações:
Kevin Crossley

Ilustração da capa por:
Daniel HDR e Alzir Alves

Ilustração original da capa:
Greg Staples

Tradução para Português-BR:
Gustavo Brauner

Coisas terríveis estão acontecendo no Castelo Goraya… O insano e megalomaníaco Gingrich Yurr está se preparando para soltar sobre o mundo um exército de monstruosos zumbis.

Ele deve ser impedido e sua horda morta-viva precisa ser derrotada. Nesta aventura de vida ou morte, as escolhas que você fizer decidirão o destino do mundo. Será que você sobreviverá ou também será transformado em zumbi?

Ian Livingstone está de volta!

Em comemoração ao 30˚ aniversário da série de livros Fighting Fantasy, Ian nos presenteou com mais uma obra prima: Sangue de Zumbis. Agora, vamos separar nossa ficha de aventura, pegar o lápis, borracha, os dados e começar a definir nossos requisitos iniciais de habilidade, energia e sorte, certo? Nada disso. Dessa vez, a mente brilhante de Ian Livingstone nos trouxe um novo tipo de sistema de combate, baseado apenas em um atributo, energia, que representa sua força.

Ao contrário de alguns títulos da série, em “Sangue de Zumbis”, você não é um herói aventureiro em busca de riqueza ou fama, você simplesmente é um estudante do 2˚ ano de Mitologia do Boling Broke College que está a seis semanas viajando pelo sul da Europa à procura de evidências sobre feras e seres lendários ou sobrenaturais como minotauros, ciclopes, lobisomens, fantasmas e vampiros e se vê capturado e vendido a um megalomaníaco residente em um castelo de nome Goraya na Romênia que pretende formar e comandar um exército de zumbis para conquistar o mundo.

Gingrich Yurr, senhor do castelo, despreza todos os seres humanos e tolera apenas seus cientistas e servos por mera necessidade. Seu plano consiste em sequestrar o maior número de pessoas possíveis, trancafiá-las, enfraquecê-las e submetê-las a injeção de sangue contaminado com um gene humano mutante, desenvolvido por seus cientistas, transformando-as em zumbis.

Sua missão é, antes de mais nada, sobreviver aos horrores presentes no castelo e, se possível, tentar conter essa ameaça zumbi e frustrar os planos do terrível Gingrich Yurr. Para isso, você deve vasculhar o castelo à procura de armas que o ajudem a combater a horda de zumbis que habita o mesmo, antes que você próprio venha a se transformar em um zumbi.

Capa original

Capa original

Apesar de estar ambientado no mundo atual, raro nos livros da série, você passa a maior parte do tempo preso em um castelo assombroso e medieval, nos remetendo aos sentimentos de outrora vivenciados em outras aventuras de outros livros da série, como “A Masmorra da Morte” e “Desafio dos Campeões” por exemplo.

Neste livro, Ian Livingstone consegue como ninguém, passar o clima tenso e apavorante que é característico da temática zumbi, presente em diversos tipos de mídias, e nos apresenta um novo tipo de sistema, mais suave e adequado a uma nova geração de leitores, que não estarão mais preocupados em administrar valores de habilidade, energia e sorte no decorrer da aventura. Você constantemente estará em menor número nos combates, sendo atacado por grupos de zumbis ou outras criaturas, mas o sistema de combate foi pensado para que isso não fique maçante ou desleal. Fãs da série de TV “The Walking Dead”, dos jogos de video-game “Resident Evil” e “Left 4 Dead” e da série de jogos de tabuleiro “Zombicide” irão se identificar com alguns elementos presentes no livro, como busca por alimentos, itens e armamentos para sobreviver às terríveis ameaças zumbis presentes no castelo.

Embora atualizado o sistema de combate, Ian manteve o bom e velho espírito de RPG, com uma boa dose de ação combatendo os zumbis, de exploração e de administração de recursos que você irá recolher no caminho, como informações, itens, equipamentos e armas. O livro apresenta elementos diversos como chaves numeradas, códigos, números de telefone e etc, que abrem certos caminhos e levam a referências específicas no livro, que podem conter elementos essenciais para o sucesso da sua aventura. Este livro, apesar de estabelecer uma nova mecânica para atrair os mais jovens, está longe de ser fácil. Muitas serão suas tentativas de sucesso e, inevitavelmente, você encontrará seu fim nos mais diversos parágrafos do livro, sendo em decisões erradas ou em combates contra os zumbis.

As artes contribuem para a imersão do leitor na aventura. Kevin Crossley retrata muito bem os perigos e situações que você vivenciará no castelo, com uma riqueza de detalhes significativa. Apesar de atuais, conseguem manter o mesmo espírito das artes dos livros anteriores da série.

Neste livro, não há indicação alguma de que o aventureiro não possa ultrapassar seu nível inicial de energia, até porque ele começa em uma situação bem complicada, pois estava a dias preso, se alimentando mal e com isso, enfraquecendo, que era um dos objetivos dos seus captores. Em situações onde o “herói” aumenta o seu nível de energia, é plausível que ele possa superar seu nível inicial.

Uma série de referências a outros livros jogos pode ser encontrada no decorrer da nossa aventura, como livros da série encontrados em alguns locais, revistas, cartões postais, citações e até mesmo uma “aparição especial” do autor em um dos cômodos do castelo. Todas essas referências dão ao livro um “charme” a mais que vai encher os olhos dos leitores que já estiveram em outras aventuras da série.

Ian Livingstone provou mais uma vez que sabe o que o leitor almeja ao ler um livro desses, este é um livro que agrada tanto aos fãs mais antigos da série quanto aos novos leitores, nos prendendo cada vez mais a cada referência e nos deixando tensos a cada escolha feita no livro.

Notas e curiosidades:

  • O livro possui um sistema próprio de batalha, diferente dos habituais de outras edições.
  • O busto na referência 97 retrata o autor Ian Livingstone.
  • Na primeira edição do livro (em inglês), para se determinar o nível inicial de energia, deve-se rolar 2D6+12, enquanto que na segunda edição, foi alterado para 2D6+20.
  • Uma pesquisa foi anunciada no site oficial dos livros-jogos para decidir o título final do livro, que estava entre “Escape from Zombie Castle” e “Blood of the Zombies”. O título final foi anunciado no dia 21 de fevereiro. Ian Livingstone decidiu que o título deveria ser definido como manda a tradição da série Fighting Fantasy, com os leitores escolhendo.
  • Ian Livingstone apostou na temática Zumbi para esse livro depois de perceber, após anos trabalhando na indústria de games, que essa temática é bem relevante e ainda não havia sido abordada em outros livros da série, bem como o fato da aventura se passar nos dias atuais e na Terra, outro ponto que ainda não havia sido explorado pelo autor.
  • Este é o 4˚ livro inédito lançado pela editora Jambô no Brasil.
  • Uma versão digital desse livro foi lançada para Android e iOS pela Tin Man Games em 2012.
  • Segundo Ian Livingstone, em uma entrevista para o site “Starbust Magazine”, este livro disputa com “A Floresta da Destruição” o ranking de 3˚ lugar dos livros que ele próprio escreveu. Em primeiro e segundo estão, em uma decisão dividida, “A Masmorra da Morte” e “Cidade dos Ladrões”. Embora, para ele, o livro que ocupa o primeiro lugar, de todos os da série, é “O Feiticeiro da Montanha de Fogo”.
  • Durante a produção desse livro, Ian perdeu boa parte do seu texto devido a um problema em seu computador, tendo que reescrevê-la.
  • No início do livro, há um breve prefácio de Ian Livingstone acerca da série de livros e da produção deste título.
  • Na referência 347, você encontra 25 edições de uma revista chamada “Coruja & Fuinha” (Owl and Weasel). Essas revistas eram uma publicação que continha notícias sobre jogos de tabuleiro, jogos de rpg, wargames e etc, publicadas em Londres pela Games Workshop e editadas por Steve Jackson e Ian Livingstone entre fevereiro de 1975 e abril de 1977. No mesmo local da referência, você encontra um exemplar do livro “O Feiticeiro da Montanha de Fogo”.
  • Na referência 365, Ian Livingstone faz uma clara referência a Lara Croft, heroína do jogo Tomb Raider, pois o mesmo foi um dos responsáveis pela revitalização da Lara Croft original em Tomb Raider Anniversary (2007) pela empresa Eidos, da qual se tornaria presidente em 2009.

Localização: Terra, Romênia.
Localidades: Castelo Goraya.
Referências: 400
Ilustrações: Existem 34 ilustrações de página inteira e 5 ilustrações menores que se repetem ao longo do livro. As referências que contêm uma ilustração de página inteira são: 5, 13, 26, 35, 45, 57, 69, 82, 97, 110, 122, 135, 148, 158, 168, 176, 189, 204, 217, 230, 244, 259, 271, 280, 290, 301, 312, 322, 331, 341, 354, 367, 379 e 391.

Erratas:

  • Referência 321: Onde se lê “…vá para 109.”, leia “…vá para 309.”.

compre-aqui

Review por: Demys Brito

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: